Quem sou eu

Minha foto
Nasci em Pres. Prudente, me formei em jornalismo pela Unesp de Bauru. Morei quatro anos nos Estados Unidos, onde estudei Inglês na Rutgers University of Newark - New Jersey. Completei 20 anos de carreira trabalhando nas redações das TV's Bandeirantes, SBT, Record e afiliadas da Rede Globo. A maior parte do tempo como repórter. Também dei aula de redação jornalística na Universidade Federal de Mato Grosso - Cuiabá. Nos últimos cinco anos fui editora de texto da TV TEM de São José do Rio Preto. Atualmente sou Assessora na Secretaria do Meio Ambiente. Tenho um interesse profundo pela poesia. Na fila para edição estão um livro de poesias e um infantil. O poema "Dilata" postado nesse Blog foi pra fase regional do Mapa Cultural Paulista. O romance "A queda da Manga" foi uma das quatro obras selecionadas pelo 'Concurso Nelson Seixas' de fomento à Cultura de Rio Preto. Gosto de gente simples, verdadeira. Do mesmo jeito que curto interagir com as pessoas, também fico muito bem sozinha.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

O feitiço e o feiticeiro

Para despotencializar
A covardia humana
Nossos legisladores
Tinham que aprender
A potencializar a capacidade
De se colocarem no lugar dos outros

Transformem em punição ao agressor
Malfeito idêntico ao que vitimou crianças, idosos ou animais
Para ver se não haverá
Queda brusca da criminalidade

Seria um encontro solene
Entre o feitiço e o feiticeiro

Matou a pauladas
Vai morrer a pauladas
Maltratou animais
Será igualmente maltratado
Abusou sexualmente
Será identicamente abusado
Foi corrupto
Terá todos os bens surrupiados

Quem sabe assim
Enquanto a educação capenga
Esse espécime prepotente
Que se diz inteligente
Que na verdade é cruel e insano
Comece de uma vez por todas
A ser definitivamente humano

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Poeira e poesia

Em tempos velozes
De capitalismo e de tormento
A poesia pode ser vista
Apenas como poeira
Que se arrasta pelo vento

Verá
Que não é.

Ela tem o poder
De provocar ventania
De entrar em nossos olhos
De renovar o que se via

Por pó se passa
Se preciso o intento
Só prá cumprir seu rito
De ruminar o féu
De levantar o véu
De desvendar o vento

Anti lei da física

A amizade
Mesmo quando infinita
Cabe curiosamente
Em qualquer lugar.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Hipócrita

Adoçante no café
Rapadura de sobremesa

No domingo
Demosntra fé

Na segunda
Gestos contra a pureza

A hipocrisia é a verdade
Que alimenta a falsidade

Para deixar
De nova vítima ser
Diga ao hipócrita:

-Vem ser, vem ser!

E ele surpreso e inerte
Derrete, derrete...

Risco eleito

Não perco tempo
Em ser quem não sou
Adoro o risco
De ser eu mesma

sábado, 7 de janeiro de 2012

Meia luz

A vantagem de chorar
À meia luz
É ter a impressão
De que só metade de você mesmo chora
E até de que o choro já foi o bastante
Quando ainda
Só está começando

Alma

Os Beatles tinham mais alma
Que afinação
Jesus tinha mais alma
Que seguidores
Gandhi, mais alma que a convicção da não violência
Ronaldo – o fenômeno, mais alma que corpo atlético
Steaven Jobs, igualmente mais alma que genialidade
Recados simples que a vida repete prá gente enxergar
Não importa exatamente o que se faz
O que importa é com quanto de alma se faz